segunda-feira, 1 de março de 2010

1980 - Patrulha do Espaço

Rock no Brasil é coisa séria. Ainda mais quando voltamos no tempo e encontramos verdadeiras pérolas em formato de bandas que, além de tratar tal gênero musical com a seriedade necessária, agregam à ele também toques de genialidade.

É inútil tentar descrever com palavras a importância e influência do Patrulha do Espaço para o desenvolvimento e construção do rock n' roll brasileiro. Para tanto, devemos deixar a música do grupo se manifestar e nos conduzir em tal empreitada.

Formada em meados de 1977 pelo "renascido" mutante Arnaldo Baptista, o Patrulha contava originalmente com Rolando Castello Jr. na bateria, o irlandês John Flavin na guitarra (que rapidamente foi substituído por Dudu Chermont) e Osvaldo "Cokinho" Gennari no baixo, além de Arnaldo nos teclados e vocais. Até 1978, a banda fez shows pelo Brasil - em plena ditadura - que mereceram a alcunha de "memoráveis" por quem os assistiu, seja pela capacidade da trupe de Arnaldo ou pela loucura oferecida pela banda.

No entanto, após nove meses de estrada, em 1978 Arnaldo decide deixar a banda, dando ínicio a um verdadeiro "vai-e-vem" de integrantes no Patrulha, que chegou a contar com o integrante do Made in Brazil, Percy Weiss, nos vocais e Walter Bailot (ex Joelho de Porco) como segundo guitarrista, Mesmo com tais tentativas, o grupo veio a se firmar peremptoriamente em 1979 como o power trio comandado por Castello Jr. e auxiliado por Dudu Chermont e Sérgio Menezes, que, então, assumia a responsabilidade de guiar as quatro cordas.

Foi com essa formação que o Patrulha do Espaço gravou o primeiro disco independente da história do rock nacional, distribuído, vejam só, por correio, isto no início da década de 80. O disco homônimo, acabou por ser batizado de "Preto", pela predominância de tal cor em sua capa. Pouco tempo depois, quando o Van Halen veio ao Brasil para suas primeiras apresentações, o Patrulha foi escolhido pelo próprio Eddie Van Halen para ser a banda de abertura.

Curiosamente, grande parte das canções deste disco receberam a voz de Percy Weiss, em auxílio aos vocais ainda em formação de Chermont, embora isto não represente óbice algum para a qualidade do disco.

Tais gravações mostram a banda em estado bruto, fator que permite ao ouvinte abstrair e sorver a qualidade musical de cada integrante da banda. Sérgio Menezes fez um lindo trabalho, embora circulem rumores de que algumas passagens de baixo tenham sido compostas por Cokinho. Deixando de lado o "diz-que-diz", fato é que basta ouvir "Simples Toque" para perceber a capacidade instrumental de Menezes. O mesmo ocorre com "Rolê da Estrada".

Chermont também demonstra suas habilidades em "Voar Alto" e "Já Faz Tempo", faixas estas que apresentam as vigorosas linhas criadas pelo carismático guitarrista, que assumiu bravamente a função de ser o "alto-falante" do Patrulha após a saída de Arnaldo Baptista e, posteriormente, de Percy Weiss.

Mas quem se destaca mesmo é Castello Jr. Suas baquetas dançam freneticamente em canções como "Espere Aqui Por Mim", onde colagens de percussão são sobrepostas, gerando um viés progressivo à música; "Arrepiado", onde uma levada tranquila equilibra e conduz a construção musical feita pelos outros integrantes; e "Vamos Curtir Uma Juntos", cujo beat coaduna perfeitamente com o riff proposto por Chermont e acompanhado por Sérgio Menezes

Castello Jr. passou por diversas bandas antes de ser recrutado como patrulheiro por Arnaldo Baptista e assumir as rédeas do grupo após sua saída. Em sua passagem pelo México no início da década de 70, Castello Jr. chegou a tocar bateria em algumas gravações do grupo mexicano "Three Souls in Mind". Depois de seu retorno ao Brasil, em 1973, Castello Jr. foi responsável pelas baquetas do grupo paulistano Aço e do Made in Brazil, gravando com o banda seu primeiro disco, de 1974. Charles Gavin, então baterista dos Titãs, declarou certa vez sobre o primeiro álbum do Made in Brazil e o desempenho do baterista: "O melhor baterista de rock - Castello Junior - tocando no melhor disco de rock brasileiro. Seu estilo já era claro: feeling, técnica, velocidade e muita porrada!!!"

Todavia, em certos momentos o Patrulha foi atingido pela maior fraqueza histórica da sociedade brasileira: a memória. Apesar de ser uma banda dotada de gênio criativo, que independem da imagem de Arnaldo Baptista, o grupo por vezes não recebe a importância e deferência que lhe é devida.

Fica aqui não apenas uma sincera homenagem e agradecimento à obra confeccionada pela Patrulha do Espaço, mas também uma tentativa de reavivar o culto pela banda. Sua audição é obrigatória à todos aqueles que adoram o verdadeiro rock n' roll.

Cherrs!!!

Faixas:

1. Espere Aqui Por Mim
2. Simples Toque
3. Arrepiado
4. Rolê da Estrada
5. Vamos Curtir Uma Juntos
6. Caminho Novo
7. Já faz tempo
8. Voar Alto

CLIQUE NA IMAGEM P/ FAZER O DOWNLOAD:



2 comentários:

  1. na minha opinião, a patrulha é uma das melhores bandas do rock brasileiro..

    por enquanto só ouvi a formação com o rodrigo hid e o schevanno, mas esta é foda...

    ResponderExcluir