domingo, 24 de outubro de 2010

Pão de Hamburguer Lança seu Primeiro DVD em Formato Independente


É tempo de sinceridade. Desde a política até os simples (ou complexos) acordes que saem do estéreo, vemos claramente a necessidade de sermos "sinceros", quase que em todas as medidas. No dia 22/10/2010, foi exatamente isto que o Pão de Hamburguer fez: ao festejar o lançamento de seu primeiro DVD, "Ao Vivo no Guairinha", lançamento em formato independente, a banda deu a todos que compareceram ao John Bull Pub o melhor que a arte verdadeiramente sincera pode proporcionar: alegria, diversão, deleite. Tudo isso (e mais tantas outras coisa que, se aqui narradas, seriam por demais extensas) em roupagem de som, de música, a melhor feita em Curitiba nestes últimos anos.

É preciso entrever a importância do lançamento não apenas em face da banda em si, mas também (e, talvez, principalmente) para o que o Pão de Hamburguer representa hoje na cena musical curitibana. Tantas e tantas vezes, cansamos de dizer e de ouvir que Curitiba, em termos artísticos, precisava de mudança, de uma nova movimentação, de um novo vetor de criatividade que impulsionasse as novas bandas à mostrar seu som do lado de fora da garagem. Da "reprodução" que há tempos macula essa cidade, veio a "produção" de novas idéias, novos grupos, novos sons. Por isso, talvez a maior importância engendrada pelo DVD "Ao Vivo no Guairinha" não se direciona apenas ao Pão, mas sim, à cena musical de Curitiba, que finalmente sai da sombra para acomodar-se confortavelmente ao Sol.


Tanto isso é verdade que, na noite do lançamento, duas outras bandas independentes acompanharam o Pão: O Conto (que fizeram todos mergulhar na mais doce psicodelia, com direito a baterista tocando trompete) e Eles Mesmos (banda das mais fortes, que encerrou a noite com a energia usual do rockabilly) fizeram as vezes de verdadeiros cicerones dos recôncavos da música curitibana, apresentando suas canções àqueles que (à exemplo deste que escreve) ainda não haviam desfrutado de seu trabalho. Ainda que inconscientemente, o Pão fez questão de apostar no novo para fortalecer a noite cada vez menos opaca de Cwb.

Já passava da meia-noite quando o  Pão de Hamburguer subiu ao palco. No "telão" à frente da banda, a introdução do DVD foi exibida, despertando definitivamente a curiosidade para vê-lo por completo. À exemplo do que ocorreu na noite da gravação, no Auditório Salvador de Ferrante, o Pão abriu seu show com a porrada sonora provida por "Sr. Dalí", uma das canções mais fortes e densas do grupo. É engraçado perceber a relação que íntima que o Pão de Hamburguer  mantém com o tempo: basta os primeiros acordes das canções escaparem das mãos de Joel, Leo, Brunno, Rennan e Gabriel para que ele (o tempo) tire o pé do acelerador, reduza a marcha e possibilite ao público desfrutar das canções da banda com a calma e excitação necessárias.



Após "Sr. Dalí", o Pão atacou o público com todas as canções contidas no DVD, acrescidas com "Será Que Eu Vou Virar Bolor" (de Arnaldo Baptista, executada também no show que originou o DVD, mas que ficou de fora por questões "formais") e a excelente "Have a Nietzsche Day", nova canção do grupo que vai integrar o novo EP da banda, refente ao projeto Gravando Curitiba, cujo lançamento, vejam só, ocorreu no day-after ao lançamento do DVD. Como sempre faz a cada vez que sobe ao palco, o Pão divertiu, fez sorrir, gritar, pular e dançar todo um público de amigos, convidados, penetras e gente que os via pela primeira vez. Talvez por isso justifique-se a imagem que o Pão de Hamburguer passa a platéia: a de ser uma grande família que todos, sem exceção, podem integrar. Basta ouvir ao seu som.

Quanto ao DVD, "Ao Vivo no Guairinha" transpassa ao espectador, de modo fiel, toda a energia que permeou o show ocorrido no dia 26 de junho. Toda a vibração, força e sentimentos percebidos naquele dia podem agora ser compreendidos mais uma vez, ou melhor, quantas vezes o espectador quiser. É um material de ampla qualidade, que poucas bandas independentes de Curitiba apresentaram em sua carreira, como o Blindagem, por exemplo. Por esta razão, "Ao Vivo no Guairinha" é recheado de momentos memoráveis: "Jonas" e "Homem do Dia" cumpriram sua missão em fazer o público dançar, cantar e pensar, já que as letras de ambas as canções remetem o ouvinte à uma reflexão, por vezes inconsciente. "Lição de Vida" segue este mesmo exemplo em sua execução, assim como tantas outras, como a dançante "Princesinha do Tio", cantada integralmente pela platéia, e "Ontem e Hoje", faixa título do primeiro conjunto de gravações do grupo. "Oh Pai" também merece louvores, pela força raivosa que sustentou sua execução naquela noite. Mas o ponto alto vem com "As Noites Não Mudaram", canção introspectiva calcada em uma excelente construção musical, potencializada ao extremo com a participação de Fernanda Fausto (prima da família Pão de Hamburguer) na flauta. Trata-se, de fato, de um belo e especial momento, que se repetiu integralmente no lançamento do DVD.

Além de tudo isso, o Pão acertou em cheio em intercalar as canções no DVD com pequenas entrevistas com cada integrante da banda. É como se os próprios integrantes, com a humildade e cordialidade que lhes é peculiar, convidassem a quem os vêem a embarcar em seu mundo. Deste modo, o espectador não houve e vê apenas as canções do Pão, mas passa a conhecer, de um jeito descontraído e cativante, a razão de ser das músicas e, em alguma medida, daqueles que compõem a banda.

Por tudo isso, "Ao Vivo no Guairinha" representa uma doce vitória para cena curitibana e para o próprio Pão. Diversas foram as testemunhas (e faço questão de me incluir neste rol) do suor derramado por Joel, Leo, Brunno, Rennan e Gabriel para transformar esta idealização utópica na saborosa realidade concretizada na última sexta-feira. Esta vitória, certamente, representa por igual o início de um novo caminhar do Pão de Hamburguer; mas desta vez eles não caminharão sozinhos: o som dos passos de todos nós se juntaram às suas canções. Ao Pão de Hamburguer, os nossos sinceros agradecimentos por nos incentivar a caminhar, correr e cantar. Que assim seja sempre, sempre, enquanto durar.

Cheers!!!

Pão de Hamburguer é:

 - Gabriel Fausto (Vocal/Guitarra);
 - Leonardo Bokermann (Guitarra/Voz);
 - Joel Rocha (Guitarra/Voz);
 - Bruno Fróis (Baixo/Voz);
 - Rennan Fróis (bateria/Voz)

Ouça Música Curitibana

Pão de Hamburguer no MySpace: http://www.myspace.com/paodehamburguer

Siga também o Pão de Hamburguer no Twitter: @hamburguerbanda








Quer adquirir uma cópia do DVD "Ao Vivo no Guairinha"??? Entre em contato com o Pão no ORKUT, TWITTER ou comentando este post deixando seu email!
  

8 comentários:

  1. Nossa, entendi errado ou no fim do terceiro parágrafo você quis dizer que a GRANDE banda Pão de Hambpurguer, ícone do Rock Curitibano, deu uma força para bandas novas e desconhecidas como ELES MESMOS, convidando para participar do seu grande show!! É isso mesmo?

    ResponderExcluir
  2. (continuando...). Fui no show porque um amigo me convidou, e a única banda que eu eu conhecia era Eles Mesmos (vi um show deles nas ruínas, no Psycho Carnival), que por sinal (não desmerecendo o show da Pão de Hambúrguer, que foi muito bom! - inclusive entrei na comunidade, onde achei essa resenha), na minha opinião foram Eles Mesmos que animaram pra valer a galera no John Bull. Também gostei da primeira banda. Acho que vocês poderiam ter valorizado mais as outras bandas, mesmo sendo a noite da Pão de Hambúrguer. Enfim, é o que eu penso, desculpa me meter aqui. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Ouça Música Curitibana

    Pão de Hamburguer no MySpace: http://www.myspace.com/paodehamburguer

    Eles Mesmos no Myspace:
    http://www.myspace.com/elesmesmos

    O Conto no Myspace:
    http://www.myspace.com/oconto

    Cheers!

    ResponderExcluir
  4. Salve Juli, tudo em paz?? Vamos esclarecer a sua infundada dúvida. Eis o trecho do texto que você erroneamente interpretou:

    "(...)duas outras bandas independentes acompanharam o Pão: O Conto (que fizeram todos mergulhar na mais doce psicodelia, com direito a baterista tocando trompete) e Eles Mesmos (banda das mais fortes, que encerrou a noite com a energia usual do rockabilly) fizeram as vezes de verdadeiros cicerones dos recôncavos da música curitibana, apresentando suas canções àqueles que (à exemplo deste que escreve) ainda não haviam desfrutado de seu trabalho. Ainda que inconscientemente, o Pão fez questão de apostar no novo para fortalecer a noite cada vez menos opaca de Cwb."

    Não li em nenhum momento a menção do Pão como ícone do rock ou dizer que O Conto e Eles Mesmos eram bandas desconhecidas. Veja que há uma larga diferença entre "apostar no novo" e "apostar no desconhecido", como você mencionou. Portanto, um certo bom senso ao interpretar textos não faz mal a ninguém.

    Ademais, não quis jamais rotular qualitativamente qualquer banda, vez que o objetivo principal deste sítio é divulgar, e não fazer competir. Se foi dada maior atenção ao Pão de Hamburguer e seu respectivo trabalho é porque, justamente como você mencionou, a noite era deles. Caso contrário, certamente a apresentação de O Conto (que me surpreendeu) e Eles Mesmos seriam mais exploradas. Mas não se preocupe, já estou elaborando um prospecto sobre cada uma delas desde sábado, vez que o Rock Pensante ainda não escreveu sobre as mesmas.

    Para finalizar, é meu dever informar que já havia tomado nota das músicas de ambas as bandas, só não tinha visto seus respectivos shows. Talvez por isso o espaço para tratar delas tenha sido diminuto.

    Pois bem. Fico contente que tenha conhecido nosso espaço e nosso trabalho, e mais contente ainda pela sua manifestação.

    E, sim, você entendeu muito errado o fim do terceiro parágrafo, indicando o Pão como ícones e O Conto e Eles Mesmos como desconhecidos, quando tal informação ali não se encontrava. Fique alerta com os devaneios, eles podem ser meio perigosos quando saem do trilho e mostram coisas que não existem.

    Seja sempre bem vindo!!!!

    Um grande abraço e obrigado pela colaboração!

    ResponderExcluir
  5. Ok Rafael!! Obrigado pelo esclarecimento e desculpe se interpretei da maneira errada... foi somente um impulso de escrever meu pensamento enquanto lia a resenha....

    abraços e boa sorte!

    ResponderExcluir
  6. Que é isso!!! Imagina!! Fique a vontade sempre para escrever, opiniões são mais que bem vindas!!!

    Aquele abraço!!!

    ResponderExcluir
  7. É que tem música que é feita para se prestar atenção, e outras para fazer o público dançar.
    Baita show!
    Parabens as bandas,e ao Rafael que escreve por aqui..

    ResponderExcluir
  8. Como integrante da banda Pão de Hamburguer, posso garantir que a/as idéia/s de Rafael Correa, são as mesmas que as nossas. Fazer ferver a cena artística (principalmente musical/cultural) curitibana!! Nós tentamos, de forma abrangente, revolucionar (ousando dizer) o cenário local independente!!! E pra deixar bem claro aqui, nós fizemos QUESTÃO de convidar nossos AMIGOS da O Conto e da Eles Mesmos pra fazer valer exatamente nossas idéias e valores, citados tb no texto! Três bandas de sons/estilos, quase que, completamente diferentes, mesmo na vertente Rock'n'roll!!!!! A psicodelia d'O Conto fez todo mundo viajar antes da porrada (se é que eu posso classificar nosso próprio som daquele dia assim) de nossas músicas, pra só depois, todo mundo relaxar de verdade, assim como "nós mesmos" e aproveitar a festa pra valer... todo mundo (como planejado por nós ao fazer o convite a todas as duas bandas) curtiu, dançou, delirou muito com o som da Eles Mesmos!!! E era esse o nosso propósito: fazer uma festa gostosa, prazerosa e que todos pudessem deliciar cada momento da FESTA TODA, e não, exclusivamente, a nossa banda!!! E TUDO DEU MUITO CERTO!!! PARABÉNS A TODOS QUE NOS AJUDARAM A FAZER UMA NOITE MARAVILHOSA, AS TRÊS BANDAS, A EQUIPE DO JOHN BULL (SID, BETO, ETC), AO CARLÃO (NOSSO TÉCNICO DE SOM), E, PRINCIPALMENTE, A TODO MUNDO QUE COMPARECEU E COMPLETOU A MELHOR NOITE DA PÃO DE HAMBURGUER ATÉ HOJE! OBRIGADO!
    obs.: Juli, essa não foi uma resposta ao que você escreveu, e sim um esclarecimento a todos que visitam o "Rock Pensante" sobre nosso idealismo!! Valeu por ter ido lá no dia e esperamos que continue a prestigiar o som independente da nossa cidade!!! Um abraço do Bruno do Pão!! hehehe

    ResponderExcluir